Lgº. Sr.ª da Penha, 6160-115 ESTREITO
(+351) 272 654 670
(+351) 272 654 670

Serra do Moradal

Muralha
de xistos, granitos e quartzitos

Com cerca de 915 metros de altitude, a serra do Moradal é a muralha protectora da Freguesia de Estreito – Vilar Barroco, constituída, predominantemente, por uma rocha resistente à erosão – o quartzito, comum, também nas montanhas antigas dos Apalaches (cordilheira da América do Norte).

Ao nível geológico, está inserida na unidade morfoestrutural do Maciço Antigo que é constituído,

“por um conjunto de rochas pré-câmbricas e paleozóicas, com predomínio de xistos, granitos e quartzitos, enrugados ou deslocados por vários ciclos orogénicos, de entre os quais os movimentos hercínicos imprimiram a orientação de conjunto a afloramentos primários das cristas quartzíticas” (BRITO, 2005: 38).

 

dominam as urzes, carqueijas, medronheiros

Turismo de natureza 

Neste trecho de território das cristas quartzíticas, com os seus cumes de silhueta agreste e vertentes de declive acentuado, encontra-se uma paisagem fortemente marcada pela imponência de um relevo “montanhoso”.

Esta serra caracteriza-se por cumes quase desnudados e com encostas revestidas por um caos de blocos, por vezes cobertas de densa vegetação, onde dominam as urzes, os tojos, os rosmaninhos, as estevas, as giestas e os medronheiros (de importância para economia local).

No sopé da montanha dominam as manchas de pinheiro-bravo e eucalipto, sendo raras as áreas vocacionadas à prática agrícola.

Ao longo deste alinhamento podem ser também observados vários fenómenos geomorfológicos, paisagísticos e históricos.

Esta é uma serra de mistérios realçados por lendas e tesouros de mouras encantadas, um local onde há muito para descobrir.. 

A Serra do Moradal
é constituída por rochas quartzíticas e xistentas
datadas do Ordovícico-Silúrico Inferior
(479-430 milhões de anos)  

a formação do Quartzito Armoricano

Geoturismo 

De cumes parcos em vegetação, a serra do Muradal,” assim chamada porque tem a forma de um immenso muro em linha recta” (PIMENTEL, 1881),  “desenvolve-se numa imensa escadaria tectónica até à Serra da Estrela” (RIBEIRO, 1949). A cumeada mostra-se bastante regular, formando uma crista do tipo “Appalachiano”.

Neste território são observados três grupos litológicos: a formação de Perais (CBP), a formação de Rosmaninhal (CBR) e a formação do Quartzito Armoricano (OQa). No primeiro caso, a formação de Perais domina no território a NW, W, SW e S da aldeia do Estreito e carateriza-se por turbiditos do super-grupo Douro – Beiras, e neste caso pertencendo às Beiras, designado por Complexo Xisto – Grauváquico, formado no câmbrico inferior (CARVALHO, 1992: s/p).

A formação de Rosmaninhal ocupa a parte NE, E e SE do território desta união ao qual se associa a turbiditos mais finos e seus conglomerados formados no câmbrico médio. O último grupo, a formação do Quartzito Armoricano, é constituído por quartzitos, conglomerados e xistos pertencentes ao período do ordovícico inferior tremadociano-arenigiano (CARVALHO, 1992: s/p).

Esta formação tem uma extensão próxima de 15km de comprimento e uma orientação NW-SE, que corresponde ao alinhamento quartzítico da Serra do Moradal, que atravessa a freguesia a NE, E e SE.

Na Serra do Moradal, nascem a Ribeira da Sertã, na Fonte de Pero Beques (Estreito) e a Ribeira do Alvito.

Turismo
Aventura

Imponente montanha quartzítica
Foto:Green Trekker – Viagens de Aventura e Caminhadas

Turismo
Natureza

Escola de Escalada, Via Ferrata, TT, BTT, Trekking..
Foto: Sara Nunes – Yoga

Geoparques
Rede Europeia e Global

Na Serra do Moradal foram inventariados 9 geossítios com importância local a regional, estando alguns deles ainda em fase de estudo por constituirem novidades para o conhecimento científico nacional.

A cartografia geológica da região e respectivo inventário do património geológico são fundamentais, conjuntamente com os restantes valores naturais, arqueológicos, arquitectónicos e culturais, para desenvolver uma estratégia de desenvolvimento sustentada, no âmbito da geoconservação e da divulgação (ao nível da Educação e do Geoturismo).

Geopark
Naturtejo

No âmbito da valorização do património natural e cultural.

O Geopark Naturtejo assume-se como impulsionador deste desenvolvimento, com propostas concretas de uso e valorização aqui apresentadas, a par com a Câmara Municipal de Oleiros, Juntas de Freguesia que abrangem a Serra do Moradal, nomeadamente Sarnadas de S. Simão, Estreito, Vilar Barroco, Orvalho e Cambas, assim como empresas privadas que operam na região e outras que venham a aproveitar verdadeiras oportunidades de negócio. (AÇAFA On Line, nº 2 (2009) )

Teares do Estreito
GR 38
Grande Rota Muradal – Pangeia
MIRADOURO DO ZEBRO (888m )
Situado a 888m de atitude em plena serra do Muradal é um espaço de magníficas e deslumbrantes panorâmicas,
onde impera uma densa vegetação.
GPS:29TPE 0604729 4424232
Picoto do Moradal (837 m)
Geosítio situados numa muralha de cristas quartzíticas e xisto,
cumes de silhueta agreste e declive acentuado.
GPS: 29TPE 0602120 4431587
Trilho Internacional dos Apalaches, Português
Assista ao vídeo da Inauguração do Trilho Internacional dos Apalaches português
e conheça os 38 km do percurso
“Grande Rota Muradal-Pangeia”, integrada no Trilho Internacional dos Apalaches,
o mais longo percurso pedestre do mundo.
VIA FERRATA (828 m)
Pedreira da Penha Alta
No topo da serra, a 888m de altura, situam-se as 15 vias de escalada da escarpa do Zebro,
equipadas e com diferentes graus de dificuldade.
GPS: 29SPE 0605153 4423204