Lgº. Sr.ª da Penha, 6160-115 ESTREITO
(+351) 272 654 670
(+351) 272 654 670

Serra do Moradal

Picoto
837 M de altitude

Geosítio situado, na serra do Moradal, numa muralha de cristas quartzíticas e xisto, cumes de silhueta agreste e declive acentuado.

Trata-se de um dos melhores miradouros de toda a região, permitindo assistir ao escalonamento em degraus tectónicos da paisagem, a partir da Falha de Pomar-Grade, e aos alinhamentos dos relevos quartzíticos que abundam em seu redor, nomeadamente a crista quartzítica descontinuada nas serras da Pedragueira, S. Brás e Lobo, na direcção de Salgueiro do Campo e de Castelo Branco.

Miradouro Geomorfológico da serra do Moradal que contrasta entre os relevos xistentos cortados por uma rede de drenagem dendrítica, o alinhamento quartzítico da faixa de Barbaído-Salgueiro do Campo e a serra granítica da Gardunha, no horizonte.

Este local teve importância pela linha defensiva Talhadas-Muradal nas invasões Francesas.

Fonte: AÇAFA On Line, nº 2 (2009)

A Casa da Moura

lenda e factos 

A descoberta da tranquilidade, da paisagem, dos mistérios que envolvem esta serra, sempre apaixonou as nossas gentes e as gentes que nos visitam. Ao longo de toda a montanha encontramos diversas cavidades nas fragas quartzíticas que ganham contornos lendários e despertam interesse.

De geração em geração foram passando algumas histórias e mitos ligados aos «Mouros», daí a origem da Casa da Moura,

Este sítio está situado a 7m acima da base da escarpa,  a Casa da Moura é composta por 2 grandes cavidades, abertas na rocha, que correspondem a dois espaços distintos unidos entre si, dando origem a uma pequena galeria de 2m de profundidade.

A lenda da Moura

A população refere que as Mouras deste buraco vinham fiar linho ( outrora a fonte de rendimento das famílias da freguesia), para a casa de uma senhora conhecida por «Barbuda» a residir na freguesia de Sarnadas de São Simão.

Certamente que este sítio foi o abrigo pastoril, também, existe a possibilidade se dever à extracção mineira em tempos pré-históricos.

Este geosítio está inserido no Trilho do Apalaches  – GR-38 Grande Rota Muradal – Pangeia, um trajecto  que abrange os locais de Estreito, Sarnadas de São Simão, Vilar Barroco e Orvalho.

Trilho dos Apalaches

Escola de Escalada, Via Ferrata, TT, BTT, Trekking..

Percurso pedestre rota GR38

Registado como a rota GR 38 – Grande Rota Muradal Pangeia, “o Trilho Português dos Apalaches”, consiste numa aproximação, entre o continente americano e o europeu.

Com uma extensão total de 38 km, o percurso que interseta o PR3 – OLR – GeoRota do Orvalho.

DIFICULDADE: MÉDIA/DIFÍCIL

GR 38
Grande Rota Muradal – Pangeia
SERRA DO MORADAL

É constituída por rochas quartzíticas e xistentas
datadas do Ordovícico-Silúrico Inferior,

(479-430 milhões de anos)
GPS:29TPE 0604729 4424232
MIRADOURO DO ZEBRO (888M )
Situado a 888m de atitude em plena serra do Muradal
é um espaço de magníficas e deslumbrantes panorâmicas,
onde impera uma densa vegetação.
GPS:29TPE 0604729 4424232
Trilho Internacional dos Apalaches
Assista ao vídeo da Inauguração do Trilho Internacional dos Apalaches português
e conheça os 38 km do percurso
“Grande Rota Muradal-Pangeia”, integrada no Trilho Internacional dos Apalaches,
o mais longo percurso pedestre do mundo.
VIA FERRATA (828 m)
Pedreira da Penha Alta
No topo da serra, a 888m de altura, situam-se as 15 vias de escalada da escarpa do Zebro,
equipadas e com diferentes graus de dificuldade.
GPS: 29SPE 0605153 4423204